English (EN): Bandeira com riscas azuis e vermelhas representando o reino de sua magestada

Estações e sistemas

Atritor Turbo Separator

Linha versátil para embalagens, tem como função genérica separar o conteúdo liquido ou seco do seu invólucro de forma automática.

Devido á sua tecnologia (velocidade de veio variável entre as 100 rpm e 2500 rpm), consegue-se uma elevada eficiência de separação.

Pode processar vários tipos de embalagens, com formatos e volumetrias variáveis.

Para além da sua função principal (separar a embalagem do seu conteúdo), tem ainda como vantagens principais descaracterizar produtos, baixar custos de transporte e logística, preparar subprodutos para reciclagem ou eventualmente para produção de energia.

É um equipamento extremamente robusto de cuidada construção, estando disponível em varias versões, com capacidades de 1 a 30 toneladas hora.

Em Portugal já existem referencias na separação de embalagens alimentares e mais recentemente no processamento de cápsulas de café.

Veja o vídeo


Projeto e Engenharia de Processo


O correto dimensionamento de acordo com as quantidades e tipologias a processar, dá origem a layout's de instalações com diversos níveis de automatização, integradoras de equipamentos de diferentes fabricantes, especialistas reconhecidos em sistemas de separação.


Em colaboração com os gabinetes de estudo dos nossos fornecedores, o nosso gabinete técnico desenvolve projetos chave na mão, que melhor se adaptam às necessidades dos nossos clientes.


Estações de transferência


A emissão de odores e o derrame de lixiviados durante o seu armazenamento e transporte, sugere que o manuseamento de RSU seja feito por recurso à contentorização dos mesmos.

A optimização dos custos de transporte a destino final reforça ainda mais a vantagem de se proceder à sua compactação, sendo possível obter reduções de volume até 1:3.

Sempre que as quantidades e as distancias justificam um armazenamento intercalar, deve a unidade de compactação ser complementada por um sistema automático de movimentação de contentores, surgindo então a Estação de Transferência.



Estações de triagem


As possibilidades crescentes de reciclagem de materiais, têm levado ao desenvolvimento de politicas de fomento da recolha seletiva com o consequente aumento das quantidades captadas.

A necessidade de aumentar a capacidade instalada de triagem, obrigou à automatização das instalações da primeira geração, alcançando-se desta forma níveis de recuperação inatingíveis com os sistemas tradicionais.

Desde os bunkers de alimentação com doseador, aos abre sacos, passando pelos equipamentos de separação, crivos, separadores balísticos, separadores óticos - muitas são as soluções que podem ser adotadas.

Uma vez separados os diferentes tipos de materiais, surge de novo a necessidade de otimizar as condições de armazenamento e transporte pelo que se torna indispensável o seu enfardamento.

A utilização de prensas enfardadeiras contínuas de amarração automática permite o rápido processamento dos materiais com recurso a mão de obra reduzida.



Unidades de Tratamento Mecânico (TM)


Estas unidades, dotadas de equipamentos tais como abre sacos, crivos, separadores balísticos, separadores óticos, etc, têm como objetivo separar a componente orgânica da fracção reciclável contida nos resíduos urbanos indiferenciados.

Minimiza-se desta forma a quantidade de resíduos eventualmente destinada a aterro, incrementando-se a quantidade de resíduos a reciclar.